DERI

| 29, set – 2022 | 12:05

Embaixadora quer Unicamp em projeto para escola de ensino médio que simula plenário da ONU

| Autor Tote Nunes
| Fotos Antonio Scarpinetti
| Edição de imagem Paulo Cavalheri
| Postado originalmente no Portal Unicamp

A Unicamp e o Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores em São Paulo (Eresp) iniciaram negociações para a participação da Universidade no projeto federal Monuem – que promove, para alunos da rede pública de ensino de São Paulo, a realização de simulações do que seria o plenário da Organização das Nações Unidas (ONU).

De acordo com o Eresp, o projeto, que surgiu na Universidade de Harvard há mais de 40 anos, oferece ao aluno a oportunidade de agir como um diplomata em um ambiente de negociação de temas vitais, representando um país.

O convênio entre as instituições foi debatido em encontro organizado pela Diretoria Executiva de Relações Internacionais (DERI) e realizado na manhã desta quarta-feira (28) na Unicamp. O encontro contou com a presença da embaixadora Irene Vida Gala, subchefe do escritório do Ministério das Relações Exteriores em São Paulo.

“A ideia é que estudantes da Unicamp ajudem a organizar o projeto em turmas do ensino médio da escola pública em São Paulo”, explica o professor Alfredo de Melo, assessor da DERI. “Os estudantes iriam estimular os alunos do ensino médio a se engajarem em discussões de política internacional, inaugurando um contato com a grande política das nações. Na verdade, trata-se de um estímulo à vida cívica e à cidadania internacional”, continua Alfredo de Melo.

O convênio entre o Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores em São Paulo e Unicamp foi debatido em encontro organizado pela DERI

O assessor da DERI explica que o convênio ainda está em processo de estruturação, já que poderá envolver aspectos da extensão, além da necessidade de articulação com escolas públicas do município e outros organismos da sociedade civil. Segundo ele, a expectativa, no entanto, é que a partir 2023 a Unicamp possa ter uma primeira turma de Monuem, em Campinas.

“Já houve uma conversa anterior com a DERI, mas agora queremos abraçar esse projeto mais firmemente”, disse a professora do Instituto de Economia e chefe de gabinete adjunta, Adriana Nunes Ferreira. “Parece-nos algo fundamental. Inclusive aproveitando esse momento em que estamos envolvidos com o processo de curricularização da extensão”, acrescentou ela. “Essa pode ser uma atividade extensionista, que vai contribuir em muito para a formação dos nossos alunos e para a sociedade”, acredita a professora.

Ampliar a abrangência

De acordo com Irene Gala, o projeto já foi instalado em 12 escolas paulistas, mas o plano é ampliar a abrangência. “A ideia é começar a dar aos estudantes do ensino médio a dinâmica do mundo e mostrar a eles o quanto o internacional influencia na vida deles. E, sobretudo, essa pode ser uma perspectiva de carreira”, disse a embaixadora. “A perspectiva não seria necessariamente na área de relações internacionais, mas em carreiras que podem ter relação com temas associados à ideia de internacionalização, seja na área de pesquisa, na saúde, na área de exatas. É muito interessante perceber como eles entendem esses temas e passam a ter prazer por entendê-los”, acrescenta ela.

A embaixadora Irene Vida Gala ministrou palestra para alunos e docentes sobre política externa do país

Os desafios para a política externa brasileira

Além da reunião que tratou do Monuem, a embaixadora conversou com estudantes e docentes numa palestra realizada no Auditório “Marielle Franco” do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH).

Na palestra “Os desafios para a política externa brasileira em 2023”, Irene Gala disse que os esforços da diplomacia do Brasil a partir de agora são no sentido de “recuperar sua força institucional”. Segundo ela, decisões erráticas do governo federal ao longo dos últimos quatro anos prejudicaram a imagem da política externa do país, tradicionalmente muito respeitada no mundo.

“A diplomacia brasileira existe há 200 anos, mas hoje estamos desempoderados, desqualificados, ridicularizados”, disse ela. Por isso, alerta, é preciso reconstruir a imagem do país no exterior. “O Brasil está mal na foto, mas existe uma cadeira vazia [na mesa de negociações dos organismos internacionais], esperando pelo Brasil. O mundo está disposto a ceder para ter o Brasil de volta ao time”, finalizou ela.

A professora Silvia Maria Santiago, diretora executiva de Direitos Humanos, também participou do encontro com a embaixadora. Pela DERI, estiveram presentes a coordenadora para Cooperação Internacional, Angélica Torresin, a coordenadora de Mobilidade, Ana Paula Fontana, a coordenadora de Apoio a Convênios e Mobilidade, Mayara Ferreira Morais, e Ludmila Fávero Pioli.

 

Postagem Original em Portal Unicamp

Imagem de Capa
Embaixadora quer Unicamp em projeto para escola de ensino médio que simula plenário da ONU

Embaixadora Irene Vida Gala, subchefe do escritório do Ministério das Relações Exteriores em São Paulo; expectativa é que a partir 2023 a Unicamp possa ter uma primeira turma de Monuem, em Campinas